terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Óculos rosa da nostalgia

Se no passado fui boba, ( uma palavra bonita para o que realmente fomos) hoje sou niilista
Morreu em mim: toda duvida, todo sentido, os princípios absolutos se dissolveram ainda mais, tudo agora é posto em discussão antes de qualquer atitude. Morreu a esperança de dias melhores, de humanidade evoluída, morreu a reciproca compaixão na sociedade.
O que resta dos anos passados e da juventude é a nostalgia que hoje deixa tudo muito bonito e brilhoso, até parece que não nos magoamos, que não nos submetemos, que não suportamos dor alguma... Os sorrisos da época hoje me parecem reais, os planinhos mirabolantes hoje parecem molecagem, as opiniões defendidas hoje parecem piada.
Não escolhemos o que queremos da vida mas nos tornamos responsáveis por quem somos hoje. Enquanto você cresceu, largou a faculdade, foi levado pelos homens de farda para lutar pelos EUA e explodir bombas no Japão e voltou para matar um leão por dia e por comida na boca de seus filhos e sua esposa eu estava assistindo Casablanca, estava lendo Agatha Christie, estava conversando sobre Camus, Beauvoir e Sartre com a nova turma dos anos 40/50
O tempo é implacável... E mesmo assim existem coisas que simplesmente não superamos; não conseguimos, e vez ou outra, uma vez ao ano as vezes até mais, elas resurgem nós deixando com aquele sabor amargo na boca que aos poucos vai ficando rosa e doce, as lembraças vão ficando mornas e inocentes, aquecendo o coração e nos levando por um breve instante a um lugar muito feliz que nos pertence pois já foi nosso em algum momento do passado. 
É tão fácil para quem tem memória e tão difícil para quem tem coração, a vida segue e o mundo corrói nossa esperança, só nos resta estes momentos nostálgicos que nos proporcionam quem sabe a força essencial para continuar.


terça-feira, 5 de julho de 2016

Eremita

Estou cada vez mais afastada e cada vez mais próxima de algo que desejei a quatro anos atrás: "eremitismo".
Estou cada vez mais desajustada nesta sociedade perfeitamente ajustada mas que no fundo está doente.
Cada vez mais distante destes ridículos que se dizem humanos... Que piada, essa "humanidade" deixou de ser humana faz tempo!
Não é questão de certo ou errado, é questão de ser.
É questão de não acreditar; de não sentir-se confortável nessas relações padrões e vazias.
Era trabalhoso demais manter relações, elas eram fracas mesmo depois de anos de dedicação.
Os poucos que restaram eu abri mão bem tranquilamente, sem peso algum na consciência pois não deixavam de ser relações de aparência.
Insistir na humanidade, na amizade e no afeto é cansativo demais quando vem somente de uma parte, mais fácil e mais sadio é ser/tornar-se um ermitão.

sábado, 18 de junho de 2016

Não existe nada além do presente.

Hoje completam três anos de algo que deveria estar completando mais tempo. Não digo que me lembro de tudo daquele dia pois eu fiz questão de esquecer, mas lembro que na época eu disse alto e com todas as letras "EU ME ARREPENDI!". O arrependimento era específico, eu queria voltar atrás, queria concertar os "erros", queria de volta a vida escrota que levava ao lado do escroto q ele era/foi/é/será. Volto a lembrar agora anos depois e posso afirmar, realmente eu me arrependi... Me arrependi de ter deixado tanta coisa passar, me arrependi de não ter acabado com tudo muito antes, me arrependi de aceitar de boa abuso e descaso com meus sentimentos. Hoje eu lembro com pesar da época dura que vivi sozinha e fico feliz de não ter acabado de forma drástica, o que poderia ter acontecido fácil visto que eu estava com o peito em frangalhos e dominada pelo ódio. Hoje eu sei o que é paz, tranquilidade, companheirismo e amor. A dor desmistifica muitos sentimentos e hoje sou capaz de amar de verdade, eu escolhi o amor, sou capaz de valorizar os sentimentos e reconhecer a importância de quem está ao meu lado e me aceita exatamente do jeito que sou. Eu evolui, eu estou evoluindo, o passado está lá ao mesmo tempo que não existe, me conforta saber o quão distante se encontra... e enquanto ele vai passando eu vou evoluindo.

terça-feira, 1 de março de 2016

Patologia.

Em meados de 2009 algo despertou a percepção do nível de ansiedade, que era crítico, do qual sofria.
Comecei achando que era somente uma paixão que batia de frente com meus ideais e princípios, os quais defendi por tempos. Fui forte e aguentei os sintomas chatos, só desisti ao perceber que em 10 chances, mesmo acertando em 9 vezes, no único erro é que eu teria o 'couro arrancado'. Eu deixei de resistir quando percebi que consumar o ato seria indiferente para todos, salvo única excessão, que era eu mesma.
Não sei como considerei um incômodo tão intenso normal. Dores no estômago, dores de cabeça, mãos frias e suadas, vômito, tremor pelo corpo todo, desespero em comer na tentativa de preencher "buracos" interiores; todos esses sintomas em escala catastrófica. Claro que ninguém ligava, nem eu conseguia entender direito o que estava acontecendo.
O que estraga a vida é a expectativa. Somos otimistas e temos planos perfeitos em nossas mentes, mas no momento que é "pra valer" não temos controle de absolutamente nada.
Ruim não é quando as coisas acontecem diferentes do planejado, ruim é o próprio planejar.
Pra quem sofre com a ansiedade qualquer expectativa é um golpe, qualquer esperança é uma tortura, qualquer planejamento pode ativar as sensações chatas.
De um jeito ou outro vivemos, sobrevivemos, subvertemos as regras pra menos sofrer, e tentamos ignorar abruptamente quem não consegue entender ou sensibilizar-se. De um jeito ou outro da-se um jeito.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O dia que deixei de ser trouxa

Lembro claramente o dia que resolvi deixar de atuar no papel de trouxa. Era dia 08/12/2013 por volta das 04:35 da madrugada. Ao fundo a trilha sonora era qualquer musica brega/de corno que não lembro exatamente. Até aquele momento estava interpretando o papel a quase um ano, e ainda não tinha percebido. Todos me olhavam com aquele olhar de "pobrezinha, tão trouxa a coitada" mas ninguém teve a boa vontade de me convidar a me retirar da peça.
Era incrível o espetáculo de forma geral (no sentido 'difícil de acreditar'), um show de horrores envolvendo muita hipocrisia, incontáveis mentiras, pessoas tratando seus desejos com impulsos mais fortes que os vistos entre animais selvagens, nenhum bom senso e nenhuma compaixão. Era uma carnificina canibalística velada, onde era permitido uns comerem aos outros sem nada mais importar e quase sem autorização.
Naquele fatídico dia resolvi sair de cena, ficar nos bastidores só observando; por alguns meses deixei de aparecer nos espetáculos da vida real, deixei vários outros artistas do dia a dia surpresos e se perguntando por onde eu andava.
" Ela faz falta, me sentia menos trouxa com ela por perto" comentavam entre eles enquanto eu tentava me encaixar em outras cenas, outros papéis.
Voltei ao show business como roteirista, qualquer coisa é melhor do que viver na pele da trouxa. Hoje eu apenas escrevo, interpreta quem quer, quem não quer se retire e procure a concorrência. Não tolero selvageria no meu texto, nem faço a maldade de presentear quem não me acrescenta em nada com o papel de trouxa. E assim se vão os anos, tentando deixar pra trás esse horrorshow que participei por algum tempo sem ao menos ter a chance de entender direito o que estava acontecendo.

Alice F.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

As bandeiras que chamamos nossas.

Espero que o amadurecimento
Te traga o esclarecimento
Que os erros do passado
Não nos tornam condenados
Nessa vida sem noção

Seres semi politizados
Achando tudo errado
Vivendo desesperados
Errando pelo coração

Viver procurando saída
Viver sempre além da vida
Botando o dedo na ferida
Sorrindo mesmo sem razão

Não importa mais o passado,
ou o que foi feito errado,
se tivemos olhos marejados,
Ou apedrejamos o semelhante;

Se eramos um perigo constante
o que traziamos no semblante
tudo o tempo sempre devora

nesses dias novas auroras
o passado o futuro o agora
se somos nova ou velha escola
julgados ainda somos a todo instante.





sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Ventre: morada de borboletas.

Eu cozinhei e o mês passou rápido... O semestre começou voando e olha já tem mais de 60 dias.
É pouco tempo?
Amargas borboletas de dificil digestão, pra que servem não sei, não as vejo mais, não junto mais, não deixo apodrecer, não arranco suas cabeças e nem as exponho em porta-retratos esmagadas entre o vidro; então por que vivem aqui dentro de mim? Porque me assombram dessa forma e tão rápido?
A aflição não as toca, a não aceitação não as afasta... Vivem aqui, alvoroçadas, no meu estômago.
Devido as dúvidas fico estática,  sem ação,  tímida, não sei como trata-las;  enquanto você as alimenta. Talvez nem saiba da existência dessas borboletas, mas todo dia você as alimenta. É o seu jeito, a atenção,  seus olhos, suas palavras e a maneira que você as fala.
Sinto as borboletas cada vez mais agitadas, fazendo uma grande festa em mim, chamando cada vez mais borboletas pra cá.
Não sei onde acaba, quando acaba; não sei qual é o plano pra eu, pra nós,  pra essas borboletas;  não sei se vão viver sempre aqui dentro ou se irão morrer, ou ainda se vão alçar vôos maiores. Só sei que você é o único que as alimenta, e quem sabe enquanto isso, enquanto houver essa festa de borboletas eu possa desenvolver sentimentos leves e sutis, sentimentos assim: borboletas.

domingo, 14 de setembro de 2014

Sinceridades

Será que é você?
quem será você?
que quer aparecer
que quer me marcar

coração é por dentro
meu interior atento
sensível como o vento
bem difícil destravar

eu paro; eu ouço
eu reparo
como um flash, um disparo
me fez parar pra pensar

o que acalanta o coração
o que faz vibrar a emoção
me traz a dor da interrogação
de ficar estática, assim sem ação

escolher boas expressões
para as quatro estações
procurando mil razões
pra entender, pra aceitar

transcende além da vontade
me mostra alguma possibilidade
que vai além de materia e vaidade
doçura e respeito em sua totalidade
quase impossível não me encantar.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Segunda pessoa do singular.

Primeiro a paciência
depois vem a calma
exerce a decência
e a bondade da alma
o respeito
o carinho
a atenção
me envolvem
vou calando
deixando falar
o coração...
foi como magia
apagou-se
a euforia
surgiu a alegria
quase algo certo
nem fofo, nem concreto
incrível companhia
que inspira poesia
distantes e tão perto
do nada céu aberto
num novo dia a dia.

[conjuga-te nesses versos, que eles são a maneira de expressão da minha percepção]

Alice F.

sábado, 30 de agosto de 2014

por escolha.

não deixe
o tempo levar
a hora passar
não deixe
o tempo
no vento
não deixe
assim ali
do lado de cá
não deixe
apenas;
não deixe
assim ficar
assim acabar
não deixe assim;
apenas por deixar.

"Âncoras não são raízes."

Alice F.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

ha-ha. corvos p vc!

"Mas os teus dias serão dias de pesar, que
é a mais duradoura das impressões, do mesmo modo que o cipreste é a mais resistente
das árvores. Porque as horas da tua felicidade passaram e alegria não se colhe duas vezes
numa vida, como as rosas de Paesturo duas vezes num ano. Não jogarás mais, com o
tempo o jogo do homem de Teos, mas, não conhecendo o mirto e a vinha, levarás contigo,
por toda parte, a tua mortalha como o muçulmano a sua em Meca." 

Edgar Allan Poe

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Volta pro mar, oferenda!

Tão longe
no horizonte
vendo no mar
barquinho a boiar
Encantando com seu canto
debaixo do manto
vivendo e sonhando
cumpre ordens sem reclamar

Ele não vai ceder
não tem fé, não quer crer
sereia de araque
não vai lhe carregar

Poesia, versos, cantigas
remédio que fecha feridas
falhou em sonhar
tem 30 segundos pra se armar
sentimento é terreno
e nada perecível
a corda sonora é um veneno
de hipnose incrível

Ele não vai ceder
a corda não vai prender
a vela no vento flameja
e nada de âncora descer.

sábado, 17 de maio de 2014

pense (ou não)

quando eu parar
e olhar
para tua cara
e perguntar
você está feliz?
responda na hora
responda sem demora
se valha da sinceridade
importa somente a verdade
seja qual for
afinal essa é a busca
é a duvida
e também a certeza
o único objetivo,
o mais obvio
ninguém pode ir contra
apenas.



quarta-feira, 30 de abril de 2014

A fuga da Serpente

Pouca idade
muita emoção
lembrança que arde
com uma canção
os anos mostram, dolorosamente
o brilho vai acabando e
a desgraça se instala na gente

agora onde estão?
as cores, os sabores, o som?
O tempo corre cruel
eu ainda nem entendi a direção...

Adulto solitário na multidão
de muitos triste realidade
busca omissa de solução
reencontrar vida, auto estima, vaidade.
Essa busca calada
sempre vai existir
Outro cheiro,
outro cabelo,
outra cilada
um momento que de pra fugir

O que nem sempre modifica
O real maior sentimento
O amor só aumenta se mutiplica
havendo ou não
essa fuga de momento

Alice F.

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2013 lixo

2013 grande coisa não foi, apenas um ano para compensação, acerto das contas; amadureci demais, aprendi mais sobre quem é real e quem é falso. O certo pelo certo o errado pelo errado. Muitos amigos, muitos cúmplices, as mascaras que se caem. Erros mil não nego, o pecado sempre chama alto... porém um ano que me deu mais certeza sobre meu caráter, sobre o que é que eu realmente acredito, o que realmente eu sou e muita provação em relação a isso, muitas vezes (muitas vezes mesmo) com o coração aflito cheguei perto de fraquejar, deixar de lado meus ideais, mudar de ideia, "me vender". Tenho que agradecer pelo feixe de luz que nessas horas revelava minha real consciência. Pessoas escrotas que querem de uma forma ou de outra marcar a minha vida e dizer que fizeram alguma diferença, não me ajudaram em absolutamente nada, por favor comece fingir que não me conhece. Me livrar do que me fez mal, do que abusa de mim, dos demônios foi o que eu mais procurei fazer e vou continuar fazendo com força total nesse ano que vai começar. Posso dizer que esse livro em branco que se inicia esta prestes a ser preenchido com muito carinho e esperança e histórias que vão superar tudo que houve de mais lindo até hoje.